Sexta, 22 Mai 2020 21:02

DIAS LETIVOS | Seed participa de consulta pública sobre flexibilização dos dias letivos Destaque

Escrito por MÁGIDA AZULAY KHATAB
O encontro virtual foi promovido pelo Conselho Estadual de Educação, na manhã desta sexta-feira, 22 O encontro virtual foi promovido pelo Conselho Estadual de Educação, na manhã desta sexta-feira, 22 Ascom/Seed

Uma webconferência promovida nesta sexta-feira, 22, pelo CEE/RR (Conselho Estadual de Educação de Roraima), discutiu a flexibilização dos dias letivos diante das consequências da pandemia do Coronavírus (COVID-19). O CEE/RR está realizando uma consulta pública referente à minuta de parecer que trata do tema.

A secretária de Educação e Desporto, Leila Perussolo, o secretário adjunto Semaias Alexandre (que também é conselheiro do CEE/RR)), e a assessora técnica da Seed (Secretaria de Educação e Desporto) e conselheira, Isabel da Costa Lima, participaram da reunião virtual.

Excepcionalmente em 2020, as escolas da Educação Básica de todo o Brasil estão dispensadas de cumprir os 200 dias letivos conforme previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9394/96). A dispensa está prevista na MP (Medida Provisória) nº 934, editada pelo presidente da República no dia 1º de abril, como uma das medidas adotadas em função da pandemia do Coronavírus. A MP libera o cumprimento dos 200 dias letivos, mas mantém o cumprimento da carga horária mínima, que é de 800 horas.

O CNE (Conselho Nacional de Educação) emitiu o Parecer CNE/CP n° 05/2020, que trata sobre a reorganização do calendário escolar e da possibilidade de cômputos de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual. O parecer aguarda homologação do MEC (Ministério da Educação).

“O Conselho Estadual de Educação já está se adiantando ao tema, fazendo oitivas qualificadas de instituições envolvidas, como Ministério Público, sindicatos, comunidade, dentre outras categorias, para contribuir com o documento que vai ajudar a regulamentar o sistema estadual de educação, dando possibilidades de valorizar e reconhecer o trabalho das redes educacionais. É uma ação extremamente positiva”, destacou a secretária.

Transparência ao processo

Conforme a presidente do CEE/RR, Nildete Melo, o órgão está alinhado ao parecer do CNE (Conselho Nacional de Educação) e, mesmo com a autonomia para definir a reorganização do calendário escolar para o sistema de ensino no Estado, está realizando a consulta pública como forma de dar transparência a todo o processo.

“Estamos ouvindo sindicatos, representantes de pais e outras instituições em relação à minuta do parecer, como forma de dar transparência a esse processo. Estamos fazendo os ajustes das contribuições recebidas e aguardando a homologação do parecer do Conselho Nacional. Quando for aprovado pelo MEC, já estaremos também com nosso documento elaborado para apresentar ao pleno do Conselho Estadual para aprovação”, explicou Nildete Melo.

Participaram também da webconferência representantes do Sinter (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Roraima), UERR (Universidade Estadual de Roraima), Sindicato das Escolas Particulares, Ministério Público de Roraima, representantes de pais, Sindicato dos Servidores Públicos, da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) e da UCME (União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação).

O que diz o parecer do CNE

O parecer do CNE prevê três alternativas para o cumprimento da carga horária mínima: a reposição da carga horária de forma presencial ao final do período de emergência; o cômputo da carga horária de atividades pedagógicas não presenciais, realizadas enquanto persistirem restrições sanitárias para presença de estudantes nos ambientes escolares, coordenado com o calendário escolar de aulas presenciais; e o cômputo da carga horária de atividades pedagógicas não presenciais (mediadas ou não por tecnologias digitais de informação e comunicação), realizadas de forma concomitante ao período das aulas presenciais, quando do retorno às atividades.

O documento também orienta que cada sistema de ensino, ao normatizar a reorganização dos calendários escolares, deve assegurar formas de alcance das competências e objetivos de aprendizagem relacionados à BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Também devem ser observadas, quando do retorno das aulas presenciais, as orientações das autoridades sanitárias.

O parecer prevê ainda o acolhimento de estudantes, professores, servidores e suas famílias como forma de auxiliar a superação dos impactos psicológicos do longo período de isolamento social. O parecer está disponível para consulta na íntegra no Portal do MEC (www.mec.gov.br).